Doulas

Informações sobre os critérios do retorno das profissionais Doulas – HSS

Por meio deste documento, embasado na Lei de Nº 11.108, de 07 de abril de 2005, e na Lei Municipal Nº 2.743 de 08 de abril de 2019, fica autorizado o retorno gradual dos profissionais Doulas, reforçando as seguintes orientações a serem cumpridas:

  • Só será permitida a entrada de 01 (uma) doula por gestante/parturiente, para acompanhamento do trabalho de parto, parto e até 02 horas após o parto;
  • Deixo aqui ciente que devido ao fato da instituição ser referência para gestantes e puérperas com suspeita ou confirmado para COVID-19, a saída do quarto ou sala de parto, será proibida. O deslocamento da gestante serápermitido com liberação e comunicado prévio da Enfermagem do setor, devido às adequações da assistência para ambos os públicos;
  • É reforçado neste documento, conforme Art.2º da Lei Nº 2.743/2019 “É vedado às doulas a realização de procedimentos médicos ou clínicos, bem como procedimentos de enfermagem e da enfermaria obstétrica, entre outros.”, para mais esclarecimentos se incluem neste veto a aferição de dados vitais maternos e fetais, assim como avaliação cervical, ou retirada de quaisquer equipamentos da instituição sem consentimento da equipe de enfermagem.

Lembrando que o uso dos equipamentos encontra-se restrito devido a maior necessidade de higienização dos mesmos, para reduzir a contaminação e propagação do COVID-19, cabendo aos funcionários da instituição o deslocamento e uso dos mesmos;

  • Conforme proposto pelas doulas, quando a gestante/parturiente optar pela doula como acompanhante, as mesmas devem entender que seu papel deve se restringir apenas a acompanhante seguindo as normas institucionais em relação à troca de acompanhantes e demais cuidados. Cabe lembrar que troca de acompanhante ocorre em horários restritos devido à pandemia, nos horários de 08h e 20 horas apenas;
  • A proposta destinada ao retorno das doulas à instituição após a saída da puérpera do Centro Cirúrgico continua vetada, salvo se a mesma realizar troca com o acompanhante em questão, nos horários estabelecidos pelo Hospital. Pois a entrada fora desse padrão se configuraria como visita, sendo esta prática mantida suspensa até o presente momento;
  • Cabe reforçar que todas as pessoas (acompanhante e doulas) que adentram na instituição devem passar pela triagem realizada na recepção, independente de dados prévios anteriormente colhidos;
  • Reforça-se a necessidade de registro da assistência prestada pelas doulas durante o período que permanecerem na instituição, a ser anexada em prontuário, podendo ser realizado em folha de papel ofício ou impresso próprio fornecido pelas próprias doulas;
  • Seguir todas as medidas de higienização propostas;
  • Caso, a gestante/parturiente seja considerada suspeita ou confirmada para COVID-19, fica aqui firmado a presença de apenas 01 (um) acompanhante que não seja do grupo de risco, durante toda a internação, sem possibilidade de trocas, até mesmo com a doula.
  • As doulas devem apresentar exames periódicos com intervalo quinzenal (15 em 15 dias) para COVID-19, sendo permitida entrada das que apresentarem exame recente negativo.

O descumprimento de quaisquer dos pontos citados acima ou em discordância com as Leis mencionadas neste documento, dará o direito de advertir e/ou suspender, durante o período de que se prorrogue a pandemia, a entrada da doula.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: